A Empresa

A Clam foi fundada em abril de 1997 a partir do desejo de seus sócios de criar uma empresa capacitada a prestar serviços de consultoria, estudos e projetos na área de engenharia, tendo como foco principal a temática ligada à ecologia, meio ambiente, hidrologia, geoquímica e serviços ligados ao setor minerário e industrial.

Com o aquecimento da economia nacional como um todo nos últimos anos, a empresa tem apresentado importante crescimento de seu corpo técnico, de seu portfólio, de clientes e do faturamento global de suas atividades.

Contratos de longo prazo foram firmados, confirmando a disposição da empresa em prover seus clientes de soluções completas de gestão ambiental, atendendo-os de forma ampla e não mais somente de forma pontual, através do licenciamento ambiental de empreendimentos de relevante impacto ambiental, principal produto da empresa.

Tendo como foco o cliente, a Clam Engenharia Meio Ambiente utiliza as mais avançadas tecnologias gerenciais de informática disponíveis com o objetivo de desenvolver seus projetos e estudos de forma eficiente, procurando satisfazer as necessidades de todos os envolvidos bem como seguindo as normas e padrões nacionais e internacionais relativos ao tema.

Para o bom desempenho de suas atividades, a empresa adota sempre elevados padrões éticos em sua relação com o mercado e quando do desenvolvimento de estudos e projetos, considerando sempre critérios de desenvolvimento sustentável e de ética inter e intra gerações.

É também importante mencionar que a equipe técnica e administrativa da empresa, seguindo o caminho já trilhado no grupo empresarial, é comprometida com a Gestão do Sistema da Qualidade, em processo de implantação.

Serviços

CLAM | Engenharia Meio Ambiente

Desenvolvimento de projetos e estudos ambientais, dentre eles:

Mineração

Recursos Hídricos e Meio Físico

Avaliação de disponibilidade hídrica e captação de água nova;
Modelos hidrogeológico conceituais e computacionais;
Programas de monitoramento de água, solo e sedimentos – planejamento, condução, análise de dados e elaboração de relatórios;
Diagnóstico e projeto de sistemas de monitoramento hídrico;
Implantação de dispositivos de monitoramento de vazões e níveis de água (vertedouros, calhas, piezômetros, poços de monitoramento de qualidade etc.);
Implantação de sistema automatizado de leituras de dispositivos de monitoramento;
Elaboração de balanço hídrico de empreendimentos e de barragens;
Elaboração de relatórios para solicitação de outorgas de uso de água;
Inventário de nascentes e caracterização de aquíferos;
Testes e ensaios hidrogeológicos;
Projeto de rebaixamento de nível freático (desaguamento de cavas e minas);
Caracterização e diagnóstico de “background” hidrogeoquímico (pré-operação) e de áreas contaminadas;
Estudos de geração de drenagem ácida em minas;
Monitoramento de ar (PTS, PM10) e ruído.

Meio Biótico

Diagnósticos de meio biótico (fauna e flora);
Monitoramentos de fauna terrestre e aquática;
Monitoramento de mamíferos e aves de rapina com utilização de tecnologia TGSAT (GPS) e telemetria;
Monitoramento de flora;
Inventário florestal.

Gestão Ambiental

Estudo de Impacto Ambiental / Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA);

Elaboração de Sistemas de Gestão de Qualidade Ambiental (SGA);

Programa de Educação Ambiental e Diagnóstico Ambiental Socioparticipativo;
Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD);
Plano de Utilização Pretendida (PUP);
Projeto Técnico de Reconstituição de Flora (PTRF);
Estudo de similaridade para compensação ambiental;
Plano de Manejo para Unidades de Conservação (compensação);
Estudo Prévio de Impacto Cultural (EPIC) e Relatório de Impacto sobre o Patrimônio Cultural (RIPIC);
Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (PAIPA) e Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (RAIPA).

Indústrias

Em breve.

Instituição de ensino

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Relatório de Impacto Urbano – RIU

No RIU, Relatório do Impacto Urbano, constam informações gerais do empreendimento, dados sobre o sistema viário e de transporte na área de influência direta, previsão de consumo de água, energia elétrica e demanda de serviços de telecomunicações, esgoto sanitário e drenagem, além de um levantamento sobre todos os impactos que o empreendimento pode causar ao meio ambiente. São apresentadas também propostas de medidas que minimizem e compensem os impactos causados pelo empreendimento.

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais – PGRSE

O PGRSE, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais é o estudo / projeto que descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nas áreas de intervenção e de influência direta do empreendimento, contemplando os aspectos referentes às fases de gerenciamento dentro e fora do empreendimento. Resíduos Sólidos Especiais (RSE) são aqueles cuja geração diária exceda o volume e ou peso fixados para a coleta regular ou os que requeiram cuidados especiais em pelo menos uma das fases: acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final, cujo gerenciamento cabe ao próprio gerador do resíduo.

Programas de Educação Ambiental

O Programa de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para a melhoria da qualidade de vida da população. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do cidadão e, consequentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do planeta.

Relatório de Impacto na Circulação – RIC

O RIC, Relatório de Impacto na Circulação, visa oferecer aos envolvidos com o processo de licenciamento ambiental, um quadro referencial que lhes permita conhecer e avaliar a intensidade dos impactos potenciais relativos da implantação do empreendimento no sistema viário, de trânsito e transporte de sua área de influência. Permite ainda determinar as respectivas medidas mitigadoras e ou compensatórias necessárias, caso os impactos sejam capazes de reduzir, de forma indesejável, a qualidade da circulação urbana nessa área.

Relatório de Impacto no Trânsito Urbano – RITU

O RITU, Relatório de Impacto no Trânsito Urbano, é um estudo que contempla, dentre outros itens: adequação e viabilidade da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e de pedestres, análise do impacto no trânsito e no transporte público e observância de outros preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental.

Projetos para o acesso e o trânsito de pedestres

O projeto para o acesso e o trânsito de pedestres visa priorizar os pedestres, garantindo sua segurança e fácil locomoção, visto que a política de mobilidade urbana implantada no país está ainda centrada no automóvel. Tal projeto visa também a fácil e adequada mobilidade de portadores de mobilidade reduzida (PMR).

Projetos de geometria

O Projeto de Geometria apresenta as possibilidades de traçado atendendo a ligação solicitada, definindo-se as seções transversais, os alinhamentos e greides das vias, quadro de quantidades e o alinhamento da eventual faixa de desapropriação. Todos estes elementos são detalhados através do cálculo analítico do alinhamento horizontal e vertical, consubstanciados nos desenhos de apresentação, planilhas e quantitativos. São considerados como base para o Projeto Geométrico, o levantamento topográfico, os estudos de tráfego, os estudos geotécnicos e demais estudos disponíveis.

Projetos de sinalização

O Projeto de Sinalização consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a segurança e o desenvolvimento do tráfego. São constituintes do Projeto de Sinalização: a sinalização vertical tais como como placas de regulamentação, de advertência e indicativas; sinalização horizontal, como as linhas, marcas de canalização, setas, legendas e tachas; dispositivos auxiliares, como as barreiras, balizas, balizadores, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, marcadores de alinhamento, cones e cúpulas, luzes intermitentes, painéis com seta iluminada e bandeiras; e sinalização semafórica.

Projetos de pavimentação

O Projeto de Pavimentação corresponde primeiramente ao estudo geral de pavimento, baseado em dados de cadastros regionais e locais, observações de campo e experiência profissional de maneira a permitir a previsão preliminar da estrutura de pavimento e seu custo. Posteriormente, a solução é detalhada a partir dos dados atualizados de campo, da topografia, das investigações geológico-geotécnicas complementares, do projeto geométrico, do projeto de drenagem etc. O projeto é composto por memorial de cálculo com resultados das investigações geotécnicas e pesquisas de tráfego complementares, dimensionamento da estrutura de pavimento com verificação mecanicista, desenhos de seção-tipo transversal de pavimento, planta de localização dos tipos de pavimentos, detalhes construtivos e especificações de serviços e planilha de quantidades com orçamento dos serviços de pavimentação.

Programa de Recebimento e Controle de Efluentes não Domésticos, Fases A e B, da COPASA / MG

O PRECEND apresenta uma melhor alternativa ambiental para o lançamento final dos efluentes líquidos gerados nos empreendimentos. Os esgotos gerados nas cidades poderão ser de origem doméstica e ou de origem não doméstica. São considerados esgotos não domésticos todos aqueles que possuem características diferentes dos esgotos gerados numa residência, em função das características do processo de produção, além dos materiais utilizados na limpeza do estabelecimento. Dessa forma, a COPASA recebe os efluentes não domésticos no seu sistema público de esgotos e os encaminha conjuntamente com os efluentes domésticos às estações de tratamento, desde que os padrões de lançamento, estabelecidos internamente por esta concessionária, sejam atendidos. O Projeto Técnico é elaborado em duas partes (A e B). Na parte A é realizada a caracterização do empreendimento, dos processos produtivos, o cadastro das redes e a proposição do plano de amostragem, com vistas à caracterização quantitativa e qualitativa dos efluentes não domésticos gerados na empresa. Nessa fase do projeto é apresentada, também, a situação atualizada do sistema de esgotamento dos efluentes líquidos, com o propósito de definir a localização dos pontos de amostragem. Na parte B, são apresentadas a execução do plano de amostragem, a justificativa e o projeto de adequação ou pré-tratamento dos efluentes líquidos, bem como o plano de auto-monitoramento. A concepção do projeto de adequação, caso necessário, dependerá dos resultados das análises laboratoriais e de campo, realizadas nos efluentes da empresa.

Desenvolvimento e implantação de projetos de educação ambiental

Tais projetos são implementados através de cursos e palestras em diversas áreas objetivando conscientizar e educar comunidades e funcionários de empresas para a efetiva implantação, por exemplo, de sistema de coleta seletiva; O Projeto de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para o sistema de gestão ambiental da empresa. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do colaborador e, conseqüentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do Planeta, como o consumo consciente.

Serviços especiais de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos

Os serviços de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos tratam da elaboração de projetos que atendam requisitos da correta ambientação sonora de empreendimentos, em função das suas finalidades de uso e da influência do entorno próximo do ambiente urbano. Tendo como subsídio as medições de ruídos procedidas com aparelho denominado decibelímetro e software de análise dos dados coletados para apresentação dos resultados e execução de serviços de isolamento acústico em casa de máquinas, sala de geradores, casas de shows, igrejas e outros locais com altos índices de ruídos.

Apresentação de diversos cursos e seminários na área ambiental

O mercado de trabalho na área de preservação ambiental é um dos que mais cresce no mundo, juntamente com as empresas que priorizam a sustentabilidade. Os Curso e Seminários na área de Meio Ambiente são ferramentas importantíssimas para empresas e pessoas que desejam desenvolver seus conhecimentos sobre temas de política e conservação ambiental. Este serviço visa atualizar, esclarecer e treinar os participantes quanto às questões ambientais e às etapas do licenciamento ambiental.

Hospitais e Clínicas

Estudo de Impacto Ambiental – EIA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No EIA é apresentado o detalhamento de todos os levantamentos técnicos, tais como aspectos ambientais e seus respectivos impactos ambientais.

Relatório de Impacto no Meio ambiente – RIMA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No RIMA é apresentada a conclusão dos estudos ambientais, contendo todos os levantamentos de aspectos e impactos ambientais do empreendimento em linguagem acessível, para facilitar a análise por parte do público interessado.

Plano de Controle Ambiental – PCA

O Plano de Controle Ambiental (PCA) provê as diretrizes para as ações mitigadoras dos impactos ambientais avaliados pelo EIA / RIMA. O PCA é parte essencial do licenciamento de diversos tipos de atividades potencialmente poluidoras.

Relatório de Controle Ambiental – RCA

O RCA, Relatório de Controle Ambiental, deverá conter as informações que permitam caracterizar o empreendimento a ser licenciado e, como objeto principal, os resultados dos levantamentos e estudos realizados pelo corpo técnico, os quais permitirão identificar as não conformidades legais referentes à poluição. Assim, o RCA será o documento norteador das ações mitigadoras a serem propostas no PCA. Dentre as principais informações contidas no RCA constam: o diagnóstico ambiental da área do projeto considerando meio físico, biológico e sócio-econômico; a descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação do projeto e suas alternativas; a caracterização das emissões geradas nos diversos setores do empreendimento, no que concerne a ruídos, efluentes líquidos, efluentes atmosféricos e resíduos sólidos; a proposta de medidas mitigadoras dos impactos negativos; a descrição do efeito esperado das medidas mitigadoras previstas; e o programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos.

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Relatório de Impacto Urbano – RIU

No RIU, Relatório do Impacto Urbano, constam informações gerais do empreendimento, dados sobre o sistema viário e de transporte na área de influência direta, previsão de consumo de água, energia elétrica e demanda de serviços de telecomunicações, esgoto sanitário e drenagem, além de um levantamento sobre todos os impactos que o empreendimento pode causar ao meio ambiente. São apresentadas também propostas de medidas que minimizem e compensem os impactos causados pelo empreendimento.

Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS

O PGRSS, Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, é o estudo / projeto que descreve as ações relativas ao manejo de resíduos sólidos, observadas suas características e riscos, no âmbito dos estabelecimentos de serviços de saúde, contemplando os aspectos referentes às fases de gerenciamento dentro e fora doe estabelecimento de saúde. Podem ser considerados estabelecimentos de saúde as atividades médico-assistenciais, hospitalares e similares e as inerentes à indústria, ao ensino e à pesquisa na área de saúde humana ou da veterinária.

Programa de Mobilização Social e de Comunicação

O Plano de Mobilização Social e Comunicação é um instrumento de aproximação e entendimento entre empreendedores e as populações das regiões nas quais estarão inseridos os respectivos empreendimentos a serem licenciados. No plano busca-se a constante troca de informações sobre ações e necessidades das partes envolvidas, possibilitando a tomada de decisões consensuais, onde as reivindicações da sociedade local adquirem peso similar ao dos argumentos em favor do desenvolvimento econômico. Esse plano direciona à conveniência estratégica para todas as partes envolvidas, de um diálogo franco e aberto no qual os vários interesses deverão ser considerados na busca de pontos de convergência.

Programas de Educação Ambiental

O Programa de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para a melhoria da qualidade de vida da população. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do cidadão e, consequentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do planeta.

Relatório de Impacto na Circulação – RIC

O RIC, Relatório de Impacto na Circulação, visa oferecer aos envolvidos com o processo de licenciamento ambiental, um quadro referencial que lhes permita conhecer e avaliar a intensidade dos impactos potenciais relativos da implantação do empreendimento no sistema viário, de trânsito e transporte de sua área de influência. Permite ainda determinar as respectivas medidas mitigadoras e ou compensatórias necessárias, caso os impactos sejam capazes de reduzir, de forma indesejável, a qualidade da circulação urbana nessa área.

Relatório de Impacto no Trânsito Urbano – RITU

O RITU, Relatório de Impacto no Trânsito Urbano, é um estudo que contempla, dentre outros itens: adequação e viabilidade da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e de pedestres, análise do impacto no trânsito e no transporte público e observância de outros preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental.

Projetos para o acesso e o trânsito de pedestres

O projeto para o acesso e o trânsito de pedestres visa priorizar os pedestres, garantindo sua segurança e fácil locomoção, visto que a política de mobilidade urbana implantada no país está ainda centrada no automóvel. Tal projeto visa também a fácil e adequada mobilidade de portadores de mobilidade reduzida (PMR).

Projetos de geometria

O Projeto de Geometria apresenta as possibilidades de traçado atendendo a ligação solicitada, definindo-se as seções transversais, os alinhamentos e greides das vias, quadro de quantidades e o alinhamento da eventual faixa de desapropriação. Todos estes elementos são detalhados através do cálculo analítico do alinhamento horizontal e vertical, consubstanciados nos desenhos de apresentação, planilhas e quantitativos. São considerados como base para o Projeto Geométrico, o levantamento topográfico, os estudos de tráfego, os estudos geotécnicos e demais estudos disponíveis.

Projetos de sinalização

O Projeto de Sinalização consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a segurança e o desenvolvimento do tráfego. São constituintes do Projeto de Sinalização: a sinalização vertical tais como como placas de regulamentação, de advertência e indicativas; sinalização horizontal, como as linhas, marcas de canalização, setas, legendas e tachas; dispositivos auxiliares, como as barreiras, balizas, balizadores, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, marcadores de alinhamento, cones e cúpulas, luzes intermitentes, painéis com seta iluminada e bandeiras; e sinalização semafórica.

Projetos de pavimentação

O Projeto de Pavimentação corresponde primeiramente ao estudo geral de pavimento, baseado em dados de cadastros regionais e locais, observações de campo e experiência profissional de maneira a permitir a previsão preliminar da estrutura de pavimento e seu custo. Posteriormente, a solução é detalhada a partir dos dados atualizados de campo, da topografia, das investigações geológico-geotécnicas complementares, do projeto geométrico, do projeto de drenagem etc. O projeto é composto por memorial de cálculo com resultados das investigações geotécnicas e pesquisas de tráfego complementares, dimensionamento da estrutura de pavimento com verificação mecanicista, desenhos de seção-tipo transversal de pavimento, planta de localização dos tipos de pavimentos, detalhes construtivos e especificações de serviços e planilha de quantidades com orçamento dos serviços de pavimentação.

Planos e Programas de Gestão da Mobilidade Urbana

O Programa de Gestão da Mobilidade Urbana visa promover a harmonização entre as políticas de transporte, trânsito e acessibilidade a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável, priorizando a implementação de sistemas de transportes coletivos, dos meios não motorizados e da integração entre diversas modalidades de transportes, bem como, implementação da acessibilidade universal, visando garantir a mobilidade de idosos, pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade.

Programa de Recebimento e Controle de Efluentes não Domésticos, Fases A e B, da COPASA / MG

O PRECEND apresenta uma melhor alternativa ambiental para o lançamento final dos efluentes líquidos gerados nos empreendimentos. Os esgotos gerados nas cidades poderão ser de origem doméstica e ou de origem não doméstica. São considerados esgotos não domésticos todos aqueles que possuem características diferentes dos esgotos gerados numa residência, em função das características do processo de produção, além dos materiais utilizados na limpeza do estabelecimento. Dessa forma, a COPASA recebe os efluentes não domésticos no seu sistema público de esgotos e os encaminha conjuntamente com os efluentes domésticos às estações de tratamento, desde que os padrões de lançamento, estabelecidos internamente por esta concessionária, sejam atendidos. O Projeto Técnico é elaborado em duas partes (A e B). Na parte A é realizada a caracterização do empreendimento, dos processos produtivos, o cadastro das redes e a proposição do plano de amostragem, com vistas à caracterização quantitativa e qualitativa dos efluentes não domésticos gerados na empresa. Nessa fase do projeto é apresentada, também, a situação atualizada do sistema de esgotamento dos efluentes líquidos, com o propósito de definir a localização dos pontos de amostragem. Na parte B, são apresentadas a execução do plano de amostragem, a justificativa e o projeto de adequação ou pré-tratamento dos efluentes líquidos, bem como o plano de auto-monitoramento. A concepção do projeto de adequação, caso necessário, dependerá dos resultados das análises laboratoriais e de campo, realizadas nos efluentes da empresa.

Desenvolvimento e implantação de projetos de educação ambiental

Tais projetos são implementados através de cursos e palestras em diversas áreas objetivando conscientizar e educar comunidades e funcionários de empresas para a efetiva implantação, por exemplo, de sistema de coleta seletiva; O Projeto de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para o sistema de gestão ambiental da empresa. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do colaborador e, conseqüentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do Planeta, como o consumo consciente.

Elaboração de projetos de gestão ambiental

Os projetos de gestão ambiental provêem as diretrizes de práticas adotadas para alcançar a sustentabilidade do empreendimento. No trabalho, as atividades do empreendimento são organizadas para que originem o menor impacto negativo possível sobre o ambiente, a fim de que a capacidade de suporte biológica seja mantida. São observados, principalmente: conservação de solo e de água; conservação da vegetação nativa e ciclo da água; redução, reutilização, reciclagem ou descarte adequado de resíduos sólidos, líquidos, gasosos e radiativos; redução no uso de substâncias tóxicas ou em quantidades nocivas; utilização de práticas de mitigação ou eliminação das causas de mudanças climáticas; e diminuição da exclusão social, além de atenuação ou de eliminação do consumo indiscriminado de recursos naturais e de insumos.

Serviços especiais de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos

Os serviços de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos tratam da elaboração de projetos que atendam requisitos da correta ambientação sonora de empreendimentos, em função das suas finalidades de uso e da influência do entorno próximo do ambiente urbano. Tendo como subsídio as medições de ruídos procedidas com aparelho denominado decibelímetro e software de análise dos dados coletados para apresentação dos resultados e execução de serviços de isolamento acústico em casa de máquinas, sala de geradores, casas de shows, igrejas e outros locais com altos índices de ruídos.

Apresentação de diversos cursos e seminários na área ambiental

O mercado de trabalho na área de preservação ambiental é um dos que mais cresce no mundo, juntamente com as empresas que priorizam a sustentabilidade. Os Curso e Seminários na área de Meio Ambiente são ferramentas importantíssimas para empresas e pessoas que desejam desenvolver seus conhecimentos sobre temas de política e conservação ambiental. Este serviço visa atualizar, esclarecer e treinar os participantes quanto às questões ambientais e às etapas do licenciamento ambiental.

Empreendimentos Residenciais

Plano de Controle Ambiental – PCA

O Plano de Controle Ambiental (PCA) provê as diretrizes para as ações mitigadoras dos impactos ambientais avaliados pelo EIA / RIMA. O PCA é parte essencial do licenciamento de diversos tipos de atividades potencialmente poluidoras.

Relatório de Controle Ambiental – RCA

O RCA, Relatório de Controle Ambiental, deverá conter as informações que permitam caracterizar o empreendimento a ser licenciado e, como objeto principal, os resultados dos levantamentos e estudos realizados pelo corpo técnico, os quais permitirão identificar as não conformidades legais referentes à poluição. Assim, o RCA será o documento norteador das ações mitigadoras a serem propostas no PCA. Dentre as principais informações contidas no RCA constam: o diagnóstico ambiental da área do projeto considerando meio físico, biológico e sócio-econômico; a descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação do projeto e suas alternativas; a caracterização das emissões geradas nos diversos setores do empreendimento, no que concerne a ruídos, efluentes líquidos, efluentes atmosféricos e resíduos sólidos; a proposta de medidas mitigadoras dos impactos negativos; a descrição do efeito esperado das medidas mitigadoras previstas; e o programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos.

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Relatório de Impacto Urbano – RIU

No RIU, Relatório do Impacto Urbano, constam informações gerais do empreendimento, dados sobre o sistema viário e de transporte na área de influência direta, previsão de consumo de água, energia elétrica e demanda de serviços de telecomunicações, esgoto sanitário e drenagem, além de um levantamento sobre todos os impactos que o empreendimento pode causar ao meio ambiente. São apresentadas também propostas de medidas que minimizem e compensam os impactos causados pelo empreendimento.

Plano de Recuperação de Área Degradada – PRAD

O PRAD, Plano de recuperação de Áreas Degradadas tem como objetivo principal recuperar ambientalmente a área degradada em questão, sendo os principais mecanismos utilizados para tal a limpeza geral do local, e a ampla revegetação dentre outros mecanismos. O PRAD baseia-se no princípio de que as áreas degradadas devem ser devolvidas à comunidade nas condições desejáveis e apropriadas ao retorno do uso original do solo ou para a implantação de outro uso futuro.

Relatório Ambiental Preliminar – RAP

O RAP, Relatório Ambiental Preliminar é um estudo técnico elaborado por equipe multidisciplinar que oferece elementos para a análise da viabilidade ambiental de empreendimentos ou atividades consideradas potencial ou efetivamente causadoras de degradação do meio ambiente. A equipe técnica multidisciplinar é formada por profissionais dotados de conhecimentos específicos acerca da matéria em estudo, no pleno gozo de suas atribuições e legalmente habilitados no órgão profissional de classe. O RAP propicia a interação entre os componentes dos meios físico, biológico e socioeconômico; a avaliação dos impactos ambientais causados durante as fases de planejamento, implantação, operação e desativação do empreendimento; a definição de medidas mitigadoras e/ou compensatórias para a minimização ou eliminação dos impactos ambientais negativos e a implementação de programas de controle ambiental para monitoramento das medidas propostas.

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais – PGRSE

O PGRSE, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais é o estudo / projeto que descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nas áreas de intervenção e de influência direta do empreendimento, contemplando os aspectos referentes às fases de gerenciamento dentro e fora do empreendimento. Resíduos Sólidos Especiais (RSE) são aqueles cuja geração diária exceda o volume e ou peso fixados para a coleta regular ou os que requeiram cuidados especiais em pelo menos uma das fases: acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final, cujo gerenciamento cabe ao próprio gerador do resíduo.

Programa de Mobilização Social e de Comunicação

O Plano de Mobilização Social e Comunicação é um instrumento de aproximação e entendimento entre empreendedores e as populações das regiões nas quais estarão inseridos os respectivos empreendimentos a serem licenciados. No plano busca-se a constante troca de informações sobre ações e necessidades das partes envolvidas, possibilitando a tomada de decisões consensuais, onde as reivindicações da sociedade local adquirem peso similar ao dos argumentos em favor do desenvolvimento econômico. Esse plano direciona à conveniência estratégica para todas as partes envolvidas, de um diálogo franco e aberto no qual os vários interesses deverão ser considerados na busca de pontos de convergência.

Programas de Educação Ambiental

O Programa de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para a melhoria da qualidade de vida da população. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do cidadão e, consequentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do planeta.

Relatório de Impacto na Circulação – RIC

O RIC, Relatório de Impacto na Circulação, visa oferecer aos envolvidos com o processo de licenciamento ambiental, um quadro referencial que lhes permita conhecer e avaliar a intensidade dos impactos potenciais relativos da implantação do empreendimento no sistema viário, de trânsito e transporte de sua área de influência. Permite ainda determinar as respectivas medidas mitigadoras e ou compensatórias necessárias, caso os impactos sejam capazes de reduzir, de forma indesejável, a qualidade da circulação urbana nessa área.

Relatório de Impacto no Trânsito Urbano – RITU

O RITU, Relatório de Impacto no Trânsito Urbano, é um estudo que contempla, dentre outros itens: adequação e viabilidade da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e de pedestres, análise do impacto no trânsito e no transporte público e observância de outros preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental.

Projetos para o acesso e o trânsito de pedestres

O projeto para o acesso e o trânsito de pedestres visa priorizar os pedestres, garantindo sua segurança e fácil locomoção, visto que a política de mobilidade urbana implantada no país está ainda centrada no automóvel. Tal projeto visa também a fácil e adequada mobilidade de portadores de mobilidade reduzida (PMR).

Projetos de geometria

O Projeto de Geometria apresenta as possibilidades de traçado atendendo a ligação solicitada, definindo-se as seções transversais, os alinhamentos e greides das vias, quadro de quantidades e o alinhamento da eventual faixa de desapropriação. Todos estes elementos são detalhados através do cálculo analítico do alinhamento horizontal e vertical, consubstanciados nos desenhos de apresentação, planilhas e quantitativos. São considerados como base para o Projeto Geométrico, o levantamento topográfico, os estudos de tráfego, os estudos geotécnicos e demais estudos disponíveis.

Projetos de sinalização

O Projeto de Sinalização consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a segurança e o desenvolvimento do tráfego. São constituintes do Projeto de Sinalização: a sinalização vertical tais como como placas de regulamentação, de advertência e indicativas; sinalização horizontal, como as linhas, marcas de canalização, setas, legendas e tachas; dispositivos auxiliares, como as barreiras, balizas, balizadores, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, marcadores de alinhamento, cones e cúpulas, luzes intermitentes, painéis com seta iluminada e bandeiras; e sinalização semafórica.

Projetos de pavimentação

O Projeto de Pavimentação corresponde primeiramente ao estudo geral de pavimento, baseado em dados de cadastros regionais e locais, observações de campo e experiência profissional de maneira a permitir a previsão preliminar da estrutura de pavimento e seu custo. Posteriormente, a solução é detalhada a partir dos dados atualizados de campo, da topografia, das investigações geológico-geotécnicas complementares, do projeto geométrico, do projeto de drenagem etc. O projeto é composto por memorial de cálculo com resultados das investigações geotécnicas e pesquisas de tráfego complementares, dimensionamento da estrutura de pavimento com verificação mecanicista, desenhos de seção-tipo transversal de pavimento, planta de localização dos tipos de pavimentos, detalhes construtivos e especificações de serviços e planilha de quantidades com orçamento dos serviços de pavimentação.

Planos e Programas de Gestão da Mobilidade Urbana

O Programa de Gestão da Mobilidade Urbana visa promover a harmonização entre as políticas de transporte, trânsito e acessibilidade a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável, priorizando a implementação de sistemas de transportes coletivos, dos meios não motorizados e da integração entre diversas modalidades de transportes, bem como, implementação da acessibilidade universal, visando garantir a mobilidade de idosos, pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade.

Projetos integrados de urbanização e regularização fundiária principalmente de aglomerados populacionais de baixa renda e de novos bairros

Os projetos em questão envolvem a regularização fundiária das áreas em questão, anteprojetos de soluções urbanísticas e ambientais para a regulação de tais áreas envolvendo os meios físicos, socioeconômico e cultural e biológico através de diagnósticos prévios que norteiam todas as ações propostas.

Elaboração de projetos de gestão ambiental

Os projetos de gestão ambiental provêem as diretrizes de práticas adotadas para alcançar a sustentabilidade do empreendimento. No trabalho, as atividades do empreendimento são organizadas para que originem o menor impacto negativo possível sobre o ambiente, a fim de que a capacidade de suporte biológica seja mantida. São observados, principalmente: conservação de solo e de água; conservação da vegetação nativa e ciclo da água; redução, reutilização, reciclagem ou descarte adequado de resíduos sólidos, líquidos, gasosos e radiativos; redução no uso de substâncias tóxicas ou em quantidades nocivas; utilização de práticas de mitigação ou eliminação das causas de mudanças climáticas; e diminuição da exclusão social, além de atenuação ou de eliminação do consumo indiscriminado de recursos naturais e de insumos.

Serviços especiais de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos

Os serviços de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos tratam da elaboração de projetos que atendam requisitos da correta ambientação sonora de empreendimentos, em função das suas finalidades de uso e da influência do entorno próximo do ambiente urbano. Tendo como subsídio as medições de ruídos procedidas com aparelho denominado decibelímetro e software de análise dos dados coletados para apresentação dos resultados e execução de serviços de isolamento acústico em casa de máquinas, sala de geradores, casas de shows, igrejas e outros locais com altos índices de ruídos.

Apresentação de diversos cursos e seminários na área ambiental

O mercado de trabalho na área de preservação ambiental é um dos que mais cresce no mundo, juntamente com as empresas que priorizam a sustentabilidade. Os Curso e Seminários na área de Meio Ambiente são ferramentas importantíssimas para empresas e pessoas que desejam desenvolver seus conhecimentos sobre temas de política e conservação ambiental. Este serviço visa atualizar, esclarecer e treinar os participantes quanto às questões ambientais e às etapas do licenciamento ambiental.

Loteamento

Estudo de Impacto Ambiental – EIA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No EIA é apresentado o detalhamento de todos os levantamentos técnicos, tais como aspectos ambientais e seus respectivos impactos ambientais.

Relatório de Impacto no Meio ambiente – RIMA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No RIMA é apresentada a conclusão dos estudos ambientais, contendo todos os levantamentos de aspectos e impactos ambientais do empreendimento em linguagem acessível, para facilitar a análise por parte do público interessado.

Plano de Controle Ambiental – PCA

O Plano de Controle Ambiental (PCA) provê as diretrizes para as ações mitigadoras dos impactos ambientais avaliados pelo EIA / RIMA. O PCA é parte essencial do licenciamento de diversos tipos de atividades potencialmente poluidoras.

Relatório de Controle Ambiental – RCA

O RCA, Relatório de Controle Ambiental, deverá conter as informações que permitam caracterizar o empreendimento a ser licenciado e, como objeto principal, os resultados dos levantamentos e estudos realizados pelo corpo técnico, os quais permitirão identificar as não conformidades legais referentes à poluição. Assim, o RCA será o documento norteador das ações mitigadoras a serem propostas no PCA. Dentre as principais informações contidas no RCA constam: o diagnóstico ambiental da área do projeto considerando meio físico, biológico e sócio-econômico; a descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação do projeto e suas alternativas; a caracterização das emissões geradas nos diversos setores do empreendimento, no que concerne a ruídos, efluentes líquidos, efluentes atmosféricos e resíduos sólidos; a proposta de medidas mitigadoras dos impactos negativos; a descrição do efeito esperado das medidas mitigadoras previstas; e o programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos.

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Programa de Educação Ambiental – PEA

O Programa de Educação Ambiental (PEA) quando exigido através de processos administrativos de licenciamento ambiental no estado de Minas Gerais, em cumprimento a Deliberação Normativa do Conselho Estadual de Política Ambiental, COPAM nº 214/17, integra um conjunto de medidas ambientais através de processos educativos que utilizam várias metodologias participativas, objetivando contribuir para o desenvolvimento da gestão ambiental compartilhada em seu caráter regional ou atribuir novos conhecimentos para os diversas temáticas ambientais.

Projeto De Avaliação De Impacto Ao Patrimônio Arqueológico (PAIPA) e Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (RAIPA)

Conforme instrumento advindas do Instituto de Patrimônio Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) nº001 de 25 de março de 2015, diversos procedimentos e norteamentos foram adotados para as pesquisas arqueológicas no âmbito do licenciamento ambiental brasileiro. Em determinações advindas do IPHAN, os Patrimônio Arqueológico enquadrados nos níveis III e IV, necessariamente, devem desenvolver o Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (PAIPA) que visa avaliar os impactos referente a edificação do empreendimento sobre os sítios arqueológicos porventura localizados no entorno. Após a coleta de dados e desenvolvimento do PAIPA, é gerado um Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (RAIPA), propondo todas as ações e medidas que o empreendedor deverá cumprir posteriormente.

Estudo Prévio de Impacto Cultural (EPIC) e Relatório de Impacto sobre o Patrimônio Cultural (RIPC)

Para os empreendimentos que tenha efeito real ou potencial, material ou imaterial, sobre uma área ou bem edificado de cunho histórico, artístico, arquitetônico ou paisagístico pelo poder público, deve-se elaborar o Estudo Prévio de Impacto Cultural (EPIC) e Relatório de Impacto no Patrimônio Cultural (RIPC). Os estudos do EPIC e RIPC abordam o diagnóstico do Patrimônio Cultural das regiões afetadas, sendo identificado e avaliado seus possíveis impactos em virtude dos processos de instalação e/ou operação de um empreendimento.

Agropecuária

Em breve.

Geradores de energia (hidrelétricas entre outros)

Estudo de Impacto Ambiental – EIA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No EIA é apresentado o detalhamento de todos os levantamentos técnicos, tais como aspectos ambientais e seus respectivos impactos ambientais.

Relatório de Impacto no Meio ambiente – RIMA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No RIMA é apresentada a conclusão dos estudos ambientais, contendo todos os levantamentos de aspectos e impactos ambientais do empreendimento em linguagem acessível, para facilitar a análise por parte do público interessado.

Projeto De Avaliação De Impacto Ao Patrimônio Arqueológico (PAIPA) e Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (RAIPA)

Conforme instrumento advindas do Instituto de Patrimônio Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) nº001 de 25 de março de 2015, diversos procedimentos e norteamentos foram adotados para as pesquisas arqueológicas no âmbito do licenciamento ambiental brasileiro. Em determinações advindas do IPHAN, os Patrimônio Arqueológico enquadrados nos níveis III e IV, necessariamente, devem desenvolver o Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (PAIPA) que visa avaliar os impactos referente a edificação do empreendimento sobre os sítios arqueológicos porventura localizados no entorno. Após a coleta de dados e desenvolvimento do PAIPA, é gerado um Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (RAIPA), propondo todas as ações e medidas que o empreendedor deverá cumprir posteriormente.

Estudo Prévio de Impacto Cultural (EPIC) e Relatório de Impacto sobre o Patrimônio Cultural (RIPC)

Para os empreendimentos que tenha efeito real ou potencial, material ou imaterial, sobre uma área ou bem edificado de cunho histórico, artístico, arquitetônico ou paisagístico pelo poder público, deve-se elaborar o Estudo Prévio de Impacto Cultural (EPIC) e Relatório de Impacto no Patrimônio Cultural (RIPC). Os estudos do EPIC e RIPC abordam o diagnóstico do Patrimônio Cultural das regiões afetadas, sendo identificado e avaliado seus possíveis impactos em virtude dos processos de instalação e/ou operação de um empreendimento.

Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatório Artificial - PACUERA

O Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatório Artificial (PACUERA), visa orientar o uso disciplinado dos reservatórios conforme as legislações, normas operacionais e estudos pertinentes. Objetivando estabelecer mecanismos para viabilizar o uso ambiental adequado e auxiliar o processo de licenciamento ambiental do empreendimento, o PACUERA trata-se de um instrumento importante para o zoneamento e ocupação do solo no entorno do reservatório, onde harmonizar suas atividades antrópicas e proteção junto às da sociedade.

Outros

Shoppings centers

Estudo de Impacto Ambiental – EIA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No EIA é apresentado o detalhamento de todos os levantamentos técnicos, tais como aspectos ambientais e seus respectivos impactos ambientais.

Relatório de Impacto no Meio ambiente – RIMA

O EIA / RIMA é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela RESOLUÇÃO CONAMA N.º 001/86. Atividades que utilizam recursos ambientais consideradas de significativo potencial de degradação ou poluição dependerão do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) para seu licenciamento ambiental. No RIMA é apresentada a conclusão dos estudos ambientais, contendo todos os levantamentos de aspectos e impactos ambientais do empreendimento em linguagem acessível, para facilitar a análise por parte do público interessado.

Plano de Controle Ambiental – PCA

O Plano de Controle Ambiental (PCA) provê as diretrizes para as ações mitigadoras dos impactos ambientais avaliados pelo EIA / RIMA. O PCA é parte essencial do licenciamento de diversos tipos de atividades potencialmente poluidoras.

Relatório de Controle Ambiental – RCA

O RCA, Relatório de Controle Ambiental, deverá conter as informações que permitam caracterizar o empreendimento a ser licenciado e, como objeto principal, os resultados dos levantamentos e estudos realizados pelo corpo técnico, os quais permitirão identificar as não conformidades legais referentes à poluição. Assim, o RCA será o documento norteador das ações mitigadoras a serem propostas no PCA. Dentre as principais informações contidas no RCA constam: o diagnóstico ambiental da área do projeto considerando meio físico, biológico e sócio-econômico; a descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação do projeto e suas alternativas; a caracterização das emissões geradas nos diversos setores do empreendimento, no que concerne a ruídos, efluentes líquidos, efluentes atmosféricos e resíduos sólidos; a proposta de medidas mitigadoras dos impactos negativos; a descrição do efeito esperado das medidas mitigadoras previstas; e o programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos.

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Relatório de Impacto Urbano – RIU

No RIU, Relatório do Impacto Urbano, constam informações gerais do empreendimento, dados sobre o sistema viário e de transporte na área de influência direta, previsão de consumo de água, energia elétrica e demanda de serviços de telecomunicações, esgoto sanitário e drenagem, além de um levantamento sobre todos os impactos que o empreendimento pode causar ao meio ambiente. São apresentadas também propostas de medidas que minimizem e compensam os impactos causados pelo empreendimento.

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais – PGRSE

O PGRSE, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais é o estudo / projeto que descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nas áreas de intervenção e de influência direta do empreendimento, contemplando os aspectos referentes às fases de gerenciamento dentro e fora do empreendimento. Resíduos Sólidos Especiais (RSE) são aqueles cuja geração diária exceda o volume e ou peso fixados para a coleta regular ou os que requeiram cuidados especiais em pelo menos uma das fases: acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final, cujo gerenciamento cabe ao próprio gerador do resíduo.

Programa de Mobilização Social e de Comunicação

O Plano de Mobilização Social e Comunicação é um instrumento de aproximação e entendimento entre empreendedores e as populações das regiões nas quais estarão inseridos os respectivos empreendimentos a serem licenciados. No plano busca-se a constante troca de informações sobre ações e necessidades das partes envolvidas, possibilitando a tomada de decisões consensuais, onde as reivindicações da sociedade local adquirem peso similar ao dos argumentos em favor do desenvolvimento econômico. Esse plano direciona à conveniência estratégica para todas as partes envolvidas, de um diálogo franco e aberto no qual os vários interesses deverão ser considerados na busca de pontos de convergência.

Programas de Educação Ambiental

O Programa de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para a melhoria da qualidade de vida da população. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do cidadão e, consequentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do planeta.

Relatório de Impacto na Circulação – RIC

O RIC, Relatório de Impacto na Circulação, visa oferecer aos envolvidos com o processo de licenciamento ambiental, um quadro referencial que lhes permita conhecer e avaliar a intensidade dos impactos potenciais relativos da implantação do empreendimento no sistema viário, de trânsito e transporte de sua área de influência. Permite ainda determinar as respectivas medidas mitigadoras e ou compensatórias necessárias, caso os impactos sejam capazes de reduzir, de forma indesejável, a qualidade da circulação urbana nessa área.

Relatório de Impacto no Trânsito Urbano – RITU

O RITU, Relatório de Impacto no Trânsito Urbano, é um estudo que contempla, dentre outros itens: adequação e viabilidade da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e de pedestres, análise do impacto no trânsito e no transporte público e observância de outros preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental.

Projetos para o acesso e o trânsito de pedestres

O projeto para o acesso e o trânsito de pedestres visa priorizar os pedestres, garantindo sua segurança e fácil locomoção, visto que a política de mobilidade urbana implantada no país está ainda centrada no automóvel. Tal projeto visa também a fácil e adequada mobilidade de portadores de mobilidade reduzida (PMR).

Projetos de geometria

O Projeto de Geometria apresenta as possibilidades de traçado atendendo a ligação solicitada, definindo-se as seções transversais, os alinhamentos e greides das vias, quadro de quantidades e o alinhamento da eventual faixa de desapropriação. Todos estes elementos são detalhados através do cálculo analítico do alinhamento horizontal e vertical, consubstanciados nos desenhos de apresentação, planilhas e quantitativos. São considerados como base para o Projeto Geométrico, o levantamento topográfico, os estudos de tráfego, os estudos geotécnicos e demais estudos disponíveis.

Projetos de sinalização

O Projeto de Sinalização consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a segurança e o desenvolvimento do tráfego. São constituintes do Projeto de Sinalização: a sinalização vertical tais como como placas de regulamentação, de advertência e indicativas; sinalização horizontal, como as linhas, marcas de canalização, setas, legendas e tachas; dispositivos auxiliares, como as barreiras, balizas, balizadores, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, marcadores de alinhamento, cones e cúpulas, luzes intermitentes, painéis com seta iluminada e bandeiras; e sinalização semafórica.

Projetos de pavimentação

O Projeto de Pavimentação corresponde primeiramente ao estudo geral de pavimento, baseado em dados de cadastros regionais e locais, observações de campo e experiência profissional de maneira a permitir a previsão preliminar da estrutura de pavimento e seu custo. Posteriormente, a solução é detalhada a partir dos dados atualizados de campo, da topografia, das investigações geológico-geotécnicas complementares, do projeto geométrico, do projeto de drenagem etc. O projeto é composto por memorial de cálculo com resultados das investigações geotécnicas e pesquisas de tráfego complementares, dimensionamento da estrutura de pavimento com verificação mecanicista, desenhos de seção-tipo transversal de pavimento, planta de localização dos tipos de pavimentos, detalhes construtivos e especificações de serviços e planilha de quantidades com orçamento dos serviços de pavimentação.

Planos e Programas de Gestão da Mobilidade Urbana

O Programa de Gestão da Mobilidade Urbana visa promover a harmonização entre as políticas de transporte, trânsito e acessibilidade a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável, priorizando a implementação de sistemas de transportes coletivos, dos meios não motorizados e da integração entre diversas modalidades de transportes, bem como, implementação da acessibilidade universal, visando garantir a mobilidade de idosos, pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade.

Programa de Recebimento e Controle de Efluentes não Domésticos, Fases A e B, da COPASA / MG

O PRECEND apresenta uma melhor alternativa ambiental para o lançamento final dos efluentes líquidos gerados nos empreendimentos. Os esgotos gerados nas cidades poderão ser de origem doméstica e ou de origem não doméstica. São considerados esgotos não domésticos todos aqueles que possuem características diferentes dos esgotos gerados numa residência, em função das características do processo de produção, além dos materiais utilizados na limpeza do estabelecimento. Dessa forma, a COPASA recebe os efluentes não domésticos no seu sistema público de esgotos e os encaminha conjuntamente com os efluentes domésticos às estações de tratamento, desde que os padrões de lançamento, estabelecidos internamente por esta concessionária, sejam atendidos. O Projeto Técnico é elaborado em duas partes (A e B). Na parte A é realizada a caracterização do empreendimento, dos processos produtivos, o cadastro das redes e a proposição do plano de amostragem, com vistas à caracterização quantitativa e qualitativa dos efluentes não domésticos gerados na empresa. Nessa fase do projeto é apresentada, também, a situação atualizada do sistema de esgotamento dos efluentes líquidos, com o propósito de definir a localização dos pontos de amostragem. Na parte B, são apresentadas a execução do plano de amostragem, a justificativa e o projeto de adequação ou pré-tratamento dos efluentes líquidos, bem como o plano de auto-monitoramento. A concepção do projeto de adequação, caso necessário, dependerá dos resultados das análises laboratoriais e de campo, realizadas nos efluentes da empresa.

Desenvolvimento e implantação de projetos de educação ambiental

Tais projetos são implementados através de cursos e palestras em diversas áreas objetivando conscientizar e educar comunidades e funcionários de empresas para a efetiva implantação, por exemplo, de sistema de coleta seletiva; O Projeto de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para o sistema de gestão ambiental da empresa. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do colaborador e, conseqüentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do Planeta, como o consumo consciente.

Monitoramento de efluentes diversos e desenvolvimento de estudos para otimização de processos

O trabalho de monitoramento de efluentes baseia-se na determinação dos parâmetros e limites de emissão na área da empresa estabelecidos pelos órgãos ambientais. Feito isso, implanta-se um sistema de monitoramento confiável para garantir que os parâmetros de emissão não sejam ultrapassados. Buscam-se também soluções para tornar os processos dos empreendimentos mais eficazes, visando a diminuição e reutilização de insumos, minimizando o descarte para o meio ambiente.

Elaboração de projetos de gestão ambiental

Os projetos de gestão ambiental provêem as diretrizes de práticas adotadas para alcançar a sustentabilidade do empreendimento. No trabalho, as atividades do empreendimento são organizadas para que originem o menor impacto negativo possível sobre o ambiente, a fim de que a capacidade de suporte biológica seja mantida. São observados, principalmente: conservação de solo e de água; conservação da vegetação nativa e ciclo da água; redução, reutilização, reciclagem ou descarte adequado de resíduos sólidos, líquidos, gasosos e radiativos; redução no uso de substâncias tóxicas ou em quantidades nocivas; utilização de práticas de mitigação ou eliminação das causas de mudanças climáticas; e diminuição da exclusão social, além de atenuação ou de eliminação do consumo indiscriminado de recursos naturais e de insumos.

Serviços especiais de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos

Os serviços de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos tratam da elaboração de projetos que atendam requisitos da correta ambientação sonora de empreendimentos, em função das suas finalidades de uso e da influência do entorno próximo do ambiente urbano. Tendo como subsídio as medições de ruídos procedidas com aparelho denominado decibelímetro e software de análise dos dados coletados para apresentação dos resultados e execução de serviços de isolamento acústico em casa de máquinas, sala de geradores, casas de shows, igrejas e outros locais com altos índices de ruídos.

Templos Religiosos

Plano de Controle Ambiental – PCA

O Plano de Controle Ambiental (PCA) provê as diretrizes para as ações mitigadoras dos impactos ambientais avaliados pelo EIA / RIMA. O PCA é parte essencial do licenciamento de diversos tipos de atividades potencialmente poluidoras.

Relatório de Controle Ambiental – RCA

O RCA, Relatório de Controle Ambiental, deverá conter as informações que permitam caracterizar o empreendimento a ser licenciado e, como objeto principal, os resultados dos levantamentos e estudos realizados pelo corpo técnico, os quais permitirão identificar as não conformidades legais referentes à poluição. Assim, o RCA será o documento norteador das ações mitigadoras a serem propostas no PCA. Dentre as principais informações contidas no RCA constam: o diagnóstico ambiental da área do projeto considerando meio físico, biológico e sócio-econômico; a descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação do projeto e suas alternativas; a caracterização das emissões geradas nos diversos setores do empreendimento, no que concerne a ruídos, efluentes líquidos, efluentes atmosféricos e resíduos sólidos; a proposta de medidas mitigadoras dos impactos negativos; a descrição do efeito esperado das medidas mitigadoras previstas; e o programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos.

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Relatório de Impacto Urbano – RIU

No RIU, Relatório do Impacto Urbano, constam informações gerais do empreendimento, dados sobre o sistema viário e de transporte na área de influência direta, previsão de consumo de água, energia elétrica e demanda de serviços de telecomunicações, esgoto sanitário e drenagem, além de um levantamento sobre todos os impactos que o empreendimento pode causar ao meio ambiente. São apresentadas também propostas de medidas que minimizem e compensam os impactos causados pelo empreendimento.

Relatório Ambiental Preliminar – RAP

O RAP, Relatório Ambiental Preliminar é um estudo técnico elaborado por equipe multidisciplinar que oferece elementos para a análise da viabilidade ambiental de empreendimentos ou atividades consideradas potencial ou efetivamente causadoras de degradação do meio ambiente. A equipe técnica multidisciplinar é formada por profissionais dotados de conhecimentos específicos acerca da matéria em estudo, no pleno gozo de suas atribuições e legalmente habilitados no órgão profissional de classe. O RAP propicia a interação entre os componentes dos meios físico, biológico e socioeconômico; a avaliação dos impactos ambientais causados durante as fases de planejamento, implantação, operação e desativação do empreendimento; a definição de medidas mitigadoras e/ou compensatórias para a minimização ou eliminação dos impactos ambientais negativos e a implementação de programas de controle ambiental para monitoramento das medidas propostas.

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais – PGRSE

O PGRSE, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais é o estudo / projeto que descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nas áreas de intervenção e de influência direta do empreendimento, contemplando os aspectos referentes às fases de gerenciamento dentro e fora do empreendimento. Resíduos Sólidos Especiais (RSE) são aqueles cuja geração diária exceda o volume e ou peso fixados para a coleta regular ou os que requeiram cuidados especiais em pelo menos uma das fases: acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final, cujo gerenciamento cabe ao próprio gerador do resíduo.

Programa de Mobilização Social e de Comunicação

O Plano de Mobilização Social e Comunicação é um instrumento de aproximação e entendimento entre empreendedores e as populações das regiões nas quais estarão inseridos os respectivos empreendimentos a serem licenciados. No plano busca-se a constante troca de informações sobre ações e necessidades das partes envolvidas, possibilitando a tomada de decisões consensuais, onde as reivindicações da sociedade local adquirem peso similar ao dos argumentos em favor do desenvolvimento econômico. Esse plano direciona à conveniência estratégica para todas as partes envolvidas, de um diálogo franco e aberto no qual os vários interesses deverão ser considerados na busca de pontos de convergência.

Programas de Educação Ambiental

O Programa de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para a melhoria da qualidade de vida da população. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do cidadão e, consequentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do planeta.

Relatório de Impacto na Circulação – RIC

O RIC, Relatório de Impacto na Circulação, visa oferecer aos envolvidos com o processo de licenciamento ambiental, um quadro referencial que lhes permita conhecer e avaliar a intensidade dos impactos potenciais relativos da implantação do empreendimento no sistema viário, de trânsito e transporte de sua área de influência. Permite ainda determinar as respectivas medidas mitigadoras e ou compensatórias necessárias, caso os impactos sejam capazes de reduzir, de forma indesejável, a qualidade da circulação urbana nessa área.

Relatório de Impacto no Trânsito Urbano – RITU

O RITU, Relatório de Impacto no Trânsito Urbano, é um estudo que contempla, dentre outros itens: adequação e viabilidade da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e de pedestres, análise do impacto no trânsito e no transporte público e observância de outros preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental.

Projetos para o acesso e o trânsito de pedestres

O projeto para o acesso e o trânsito de pedestres visa priorizar os pedestres, garantindo sua segurança e fácil locomoção, visto que a política de mobilidade urbana implantada no país está ainda centrada no automóvel. Tal projeto visa também a fácil e adequada mobilidade de portadores de mobilidade reduzida (PMR).

Projetos de geometria

O Projeto de Geometria apresenta as possibilidades de traçado atendendo a ligação solicitada, definindo-se as seções transversais, os alinhamentos e greides das vias, quadro de quantidades e o alinhamento da eventual faixa de desapropriação. Todos estes elementos são detalhados através do cálculo analítico do alinhamento horizontal e vertical, consubstanciados nos desenhos de apresentação, planilhas e quantitativos. São considerados como base para o Projeto Geométrico, o levantamento topográfico, os estudos de tráfego, os estudos geotécnicos e demais estudos disponíveis.

Projetos de sinalização

O Projeto de Sinalização consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a segurança e o desenvolvimento do tráfego. São constituintes do Projeto de Sinalização: a sinalização vertical tais como como placas de regulamentação, de advertência e indicativas; sinalização horizontal, como as linhas, marcas de canalização, setas, legendas e tachas; dispositivos auxiliares, como as barreiras, balizas, balizadores, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, marcadores de alinhamento, cones e cúpulas, luzes intermitentes, painéis com seta iluminada e bandeiras; e sinalização semafórica.

Projetos de pavimentação

O Projeto de Pavimentação corresponde primeiramente ao estudo geral de pavimento, baseado em dados de cadastros regionais e locais, observações de campo e experiência profissional de maneira a permitir a previsão preliminar da estrutura de pavimento e seu custo. Posteriormente, a solução é detalhada a partir dos dados atualizados de campo, da topografia, das investigações geológico-geotécnicas complementares, do projeto geométrico, do projeto de drenagem etc. O projeto é composto por memorial de cálculo com resultados das investigações geotécnicas e pesquisas de tráfego complementares, dimensionamento da estrutura de pavimento com verificação mecanicista, desenhos de seção-tipo transversal de pavimento, planta de localização dos tipos de pavimentos, detalhes construtivos e especificações de serviços e planilha de quantidades com orçamento dos serviços de pavimentação.

Planos e Programas de Gestão da Mobilidade Urbana

O Programa de Gestão da Mobilidade Urbana visa promover a harmonização entre as políticas de transporte, trânsito e acessibilidade a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável, priorizando a implementação de sistemas de transportes coletivos, dos meios não motorizados e da integração entre diversas modalidades de transportes, bem como, implementação da acessibilidade universal, visando garantir a mobilidade de idosos, pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade

Projetos integrados de urbanização e regularização fundiária principalmente de aglomerados populacionais de baixa renda e de novos bairros

Os projetos em questão envolvem a regularização fundiária das áreas em questão, anteprojetos de soluções urbanísticas e ambientais para a regulação de tais áreas envolvendo os meios físicos, socioeconômico e cultural e biológico através de diagnósticos prévios que norteiam todas as ações propostas.

Elaboração de projetos de gestão ambiental

Os projetos de gestão ambiental provêem as diretrizes de práticas adotadas para alcançar a sustentabilidade do empreendimento. No trabalho, as atividades do empreendimento são organizadas para que originem o menor impacto negativo possível sobre o ambiente, a fim de que a capacidade de suporte biológica seja mantida. São observados, principalmente: conservação de solo e de água; conservação da vegetação nativa e ciclo da água; redução, reutilização, reciclagem ou descarte adequado de resíduos sólidos, líquidos, gasosos e radiativos; redução no uso de substâncias tóxicas ou em quantidades nocivas; utilização de práticas de mitigação ou eliminação das causas de mudanças climáticas; e diminuição da exclusão social, além de atenuação ou de eliminação do consumo indiscriminado de recursos naturais e de insumos.

Serviços especiais de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos

Os serviços de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos tratam da elaboração de projetos que atendam requisitos da correta ambientação sonora de empreendimentos, em função das suas finalidades de uso e da influência do entorno próximo do ambiente urbano. Tendo como subsídio as medições de ruídos procedidas com aparelho denominado decibelímetro e software de análise dos dados coletados para apresentação dos resultados e execução de serviços de isolamento acústico em casa de máquinas, sala de geradores, casas de shows, igrejas e outros locais com altos índices de ruídos.

Apresentação de diversos cursos e seminários na área ambiental

O mercado de trabalho na área de preservação ambiental é um dos que mais cresce no mundo, juntamente com as empresas que priorizam a sustentabilidade. Os Curso e Seminários na área de Meio Ambiente são ferramentas importantíssimas para empresas e pessoas que desejam desenvolver seus conhecimentos sobre temas de política e conservação ambiental. Este serviço visa atualizar, esclarecer e treinar os participantes quanto às questões ambientais e às etapas do licenciamento ambiental.

Casa de eventos

Plano de Controle Ambiental – PCA

O Plano de Controle Ambiental (PCA) provê as diretrizes para as ações mitigadoras dos impactos ambientais avaliados pelo EIA / RIMA. O PCA é parte essencial do licenciamento de diversos tipos de atividades potencialmente poluidoras.

Relatório de Controle Ambiental – RCA

O RCA, Relatório de Controle Ambiental, deverá conter as informações que permitam caracterizar o empreendimento a ser licenciado e, como objeto principal, os resultados dos levantamentos e estudos realizados pelo corpo técnico, os quais permitirão identificar as não conformidades legais referentes à poluição. Assim, o RCA será o documento norteador das ações mitigadoras a serem propostas no PCA. Dentre as principais informações contidas no RCA constam: o diagnóstico ambiental da área do projeto considerando meio físico, biológico e sócio-econômico; a descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação do projeto e suas alternativas; a caracterização das emissões geradas nos diversos setores do empreendimento, no que concerne a ruídos, efluentes líquidos, efluentes atmosféricos e resíduos sólidos; a proposta de medidas mitigadoras dos impactos negativos; a descrição do efeito esperado das medidas mitigadoras previstas; e o programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos.

Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é desenvolvido de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e suas proximidades, incluindo a análise, no mínimo, das seguintes questões: adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, ventilação e iluminação, paisagem urbana e patrimônio natural e cultural.

Relatório de Impacto Urbano – RIU

No RIU, Relatório do Impacto Urbano, constam informações gerais do empreendimento, dados sobre o sistema viário e de transporte na área de influência direta, previsão de consumo de água, energia elétrica e demanda de serviços de telecomunicações, esgoto sanitário e drenagem, além de um levantamento sobre todos os impactos que o empreendimento pode causar ao meio ambiente. São apresentadas também propostas de medidas que minimizem e compensam os impactos causados pelo empreendimento.

Relatório Ambiental Preliminar – RAP

O RAP, Relatório Ambiental Preliminar é um estudo técnico elaborado por equipe multidisciplinar que oferece elementos para a análise da viabilidade ambiental de empreendimentos ou atividades consideradas potencial ou efetivamente causadoras de degradação do meio ambiente. A equipe técnica multidisciplinar é formada por profissionais dotados de conhecimentos específicos acerca da matéria em estudo, no pleno gozo de suas atribuições e legalmente habilitados no órgão profissional de classe. O RAP propicia a interação entre os componentes dos meios físico, biológico e socioeconômico; a avaliação dos impactos ambientais causados durante as fases de planejamento, implantação, operação e desativação do empreendimento; a definição de medidas mitigadoras e/ou compensatórias para a minimização ou eliminação dos impactos ambientais negativos e a implementação de programas de controle ambiental para monitoramento das medidas propostas.

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais – PGRSE

O PGRSE, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais é o estudo / projeto que descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nas áreas de intervenção e de influência direta do empreendimento, contemplando os aspectos referentes às fases de gerenciamento dentro e fora do empreendimento. Resíduos Sólidos Especiais (RSE) são aqueles cuja geração diária exceda o volume e ou peso fixados para a coleta regular ou os que requeiram cuidados especiais em pelo menos uma das fases: acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final, cujo gerenciamento cabe ao próprio gerador do resíduo.

Programa de Mobilização Social e de Comunicação

O Plano de Mobilização Social e Comunicação é um instrumento de aproximação e entendimento entre empreendedores e as populações das regiões nas quais estarão inseridos os respectivos empreendimentos a serem licenciados. No plano busca-se a constante troca de informações sobre ações e necessidades das partes envolvidas, possibilitando a tomada de decisões consensuais, onde as reivindicações da sociedade local adquirem peso similar ao dos argumentos em favor do desenvolvimento econômico. Esse plano direciona à conveniência estratégica para todas as partes envolvidas, de um diálogo franco e aberto no qual os vários interesses deverão ser considerados na busca de pontos de convergência.

Programas de Educação Ambiental

O Programa de Educação Ambiental é uma ferramenta essencial para a melhoria da qualidade de vida da população. Com a Educação Ambiental estimula-se o exercício pleno e consciente da cidadania e promove-se o resgate e o surgimento de novos valores como a responsabilidade ambiental. Propicia-se também o acesso às informações sobre meio ambiente, gerando condições para refletir sobre as causas e os efeitos da degradação, possibilitando a mudança de comportamento do cidadão e, consequentemente, atitudes que visem à sustentabilidade do planeta.

Relatório de Impacto na Circulação – RIC

O RIC, Relatório de Impacto na Circulação, visa oferecer aos envolvidos com o processo de licenciamento ambiental, um quadro referencial que lhes permita conhecer e avaliar a intensidade dos impactos potenciais relativos da implantação do empreendimento no sistema viário, de trânsito e transporte de sua área de influência. Permite ainda determinar as respectivas medidas mitigadoras e ou compensatórias necessárias, caso os impactos sejam capazes de reduzir, de forma indesejável, a qualidade da circulação urbana nessa área.

Relatório de Impacto no Trânsito Urbano – RITU

O RITU, Relatório de Impacto no Trânsito Urbano, é um estudo que contempla, dentre outros itens: adequação e viabilidade da localização do empreendimento, oferta de estacionamento, condições de acesso de veículos e de pedestres, análise do impacto no trânsito e no transporte público e observância de outros preceitos legais essenciais ao licenciamento ambiental.

Projetos para o acesso e o trânsito de pedestres

O projeto para o acesso e o trânsito de pedestres visa priorizar os pedestres, garantindo sua segurança e fácil locomoção, visto que a política de mobilidade urbana implantada no país está ainda centrada no automóvel. Tal projeto visa também a fácil e adequada mobilidade de portadores de mobilidade reduzida (PMR).

Projetos de geometria

O Projeto de Geometria apresenta as possibilidades de traçado atendendo a ligação solicitada, definindo-se as seções transversais, os alinhamentos e greides das vias, quadro de quantidades e o alinhamento da eventual faixa de desapropriação. Todos estes elementos são detalhados através do cálculo analítico do alinhamento horizontal e vertical, consubstanciados nos desenhos de apresentação, planilhas e quantitativos. São considerados como base para o Projeto Geométrico, o levantamento topográfico, os estudos de tráfego, os estudos geotécnicos e demais estudos disponíveis.

Projetos de sinalização

O Projeto de Sinalização consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a segurança e o desenvolvimento do tráfego. São constituintes do Projeto de Sinalização: a sinalização vertical tais como como placas de regulamentação, de advertência e indicativas; sinalização horizontal, como as linhas, marcas de canalização, setas, legendas e tachas; dispositivos auxiliares, como as barreiras, balizas, balizadores, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, marcadores de alinhamento, cones e cúpulas, luzes intermitentes, painéis com seta iluminada e bandeiras; e sinalização semafórica.

Projetos de pavimentação

O Projeto de Pavimentação corresponde primeiramente ao estudo geral de pavimento, baseado em dados de cadastros regionais e locais, observações de campo e experiência profissional de maneira a permitir a previsão preliminar da estrutura de pavimento e seu custo. Posteriormente, a solução é detalhada a partir dos dados atualizados de campo, da topografia, das investigações geológico-geotécnicas complementares, do projeto geométrico, do projeto de drenagem etc. O projeto é composto por memorial de cálculo com resultados das investigações geotécnicas e pesquisas de tráfego complementares, dimensionamento da estrutura de pavimento com verificação mecanicista, desenhos de seção-tipo transversal de pavimento, planta de localização dos tipos de pavimentos, detalhes construtivos e especificações de serviços e planilha de quantidades com orçamento dos serviços de pavimentação.

Planos e Programas de Gestão da Mobilidade Urbana

O Programa de Gestão da Mobilidade Urbana visa promover a harmonização entre as políticas de transporte, trânsito e acessibilidade a fim de proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço de forma segura, socialmente inclusiva e sustentável, priorizando a implementação de sistemas de transportes coletivos, dos meios não motorizados e da integração entre diversas modalidades de transportes, bem como, implementação da acessibilidade universal, visando garantir a mobilidade de idosos, pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade.

Projetos integrados de urbanização e regularização fundiária principalmente de aglomerados populacionais de baixa renda e de novos bairros

Os projetos em questão envolvem a regularização fundiária das áreas em questão, anteprojetos de soluções urbanísticas e ambientais para a regulação de tais áreas envolvendo os meios físicos, socioeconômico e cultural e biológico através de diagnósticos prévios que norteiam todas as ações propostas.

Elaboração de projetos de gestão ambiental

Os projetos de gestão ambiental provêem as diretrizes de práticas adotadas para alcançar a sustentabilidade do empreendimento. No trabalho, as atividades do empreendimento são organizadas para que originem o menor impacto negativo possível sobre o ambiente, a fim de que a capacidade de suporte biológica seja mantida. São observados, principalmente: conservação de solo e de água; conservação da vegetação nativa e ciclo da água; redução, reutilização, reciclagem ou descarte adequado de resíduos sólidos, líquidos, gasosos e radiativos; redução no uso de substâncias tóxicas ou em quantidades nocivas; utilização de práticas de mitigação ou eliminação das causas de mudanças climáticas; e diminuição da exclusão social, além de atenuação ou de eliminação do consumo indiscriminado de recursos naturais e de insumos.

Serviços especiais de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos

Os serviços de medições, projetos e obras para correção de problemas acústicos tratam da elaboração de projetos que atendam requisitos da correta ambientação sonora de empreendimentos, em função das suas finalidades de uso e da influência do entorno próximo do ambiente urbano. Tendo como subsídio as medições de ruídos procedidas com aparelho denominado decibelímetro e software de análise dos dados coletados para apresentação dos resultados e execução de serviços de isolamento acústico em casa de máquinas, sala de geradores, casas de shows, igrejas e outros locais com altos índices de ruídos.

Programa de Recebimento e Controle de Efluentes não Domésticos, Fases A e B, da COPASA / MG

O PRECEND apresenta uma melhor alternativa ambiental para o lançamento final dos efluentes líquidos gerados nos empreendimentos. Os esgotos gerados nas cidades poderão ser de origem doméstica e ou de origem não doméstica. São considerados esgotos não domésticos todos aqueles que possuem características diferentes dos esgotos gerados numa residência, em função das características do processo de produção, além dos materiais utilizados na limpeza do estabelecimento. Dessa forma, a COPASA recebe os efluentes não domésticos no seu sistema público de esgotos e os encaminha conjuntamente com os efluentes domésticos às estações de tratamento, desde que os padrões de lançamento, estabelecidos internamente por esta concessionária, sejam atendidos. O Projeto Técnico é elaborado em duas partes (A e B). Na parte A é realizada a caracterização do empreendimento, dos processos produtivos, o cadastro das redes e a proposição do plano de amostragem, com vistas à caracterização quantitativa e qualitativa dos efluentes não domésticos gerados na empresa. Nessa fase do projeto é apresentada, também, a situação atualizada do sistema de esgotamento dos efluentes líquidos, com o propósito de definir a localização dos pontos de amostragem. Na parte B, são apresentadas a execução do plano de amostragem, a justificativa e o projeto de adequação ou pré-tratamento dos efluentes líquidos, bem como o plano de auto-monitoramento. A concepção do projeto de adequação, caso necessário, dependerá dos resultados das análises laboratoriais e de campo, realizadas nos efluentes da empresa.

Óleo e Gás

Em breve.

Resíduos

Aterros e bota fora

Em breve.

Projetos Florestais

Consultoria referente a gestão florestal;
Planejamento de projetos de silvicultura;
Inventário, gerenciamento e coordenação de supressão vegetal (espécies nativas e plantadas);
Obtenção do Documento de origem Florestal (DOF) e Guia Florestal (GF) dentro do âmbito do SISFLORA.
Estudos ambientais para obtenção de licença Ambiental Rural e similares;
Realização de cadastro ambiental rural (CAR);
Elaboração e execução de Plano de Recuperação Ambiental (PRA);
Averbação e compensação de reserva legal.

Outros Serviços

Em breve.

Contato